Somos todos traumatizados?

A maioria aqui conhece minha trajetória e sabe que sou pesquisadora do estudo do corpo no ambiente corporativo. Seja através dos meus estudos no mestrado e doutorado que resultaram no livro “O corpo como posicionamento de marca na comunicação empresarial”, da editora Annablume, seja por bate-papos ou palestras. Na busca incessante pelo aprofundamento nas temáticas do corpo, decidi me especializar na formação da Experiência Somática, também chamada de SE, ou Somatic Experienging. Esses estudos me permitem entender e também ajudar os “corpos traumatizados”.

Os traumas são acontecimentos que resultam na imobilidade de reagir, ou seja, nossa capacidade de lutar e de nos defender para viver. A pessoa traumatizada perde o seu equilíbrio resultando em mudanças fisiológicas, emocionais, mentais ou comportamentais e, consequentemente, desenvolve vários sintomas, como ansiedade, síndrome do pânico, depressão, dores crônicas nas costas, no peito e no estômago, enxaquecas, dentre outras.

O ambiente corporativo, por conta do modus operandi, objetiva a excelência na busca do cumprimento das metas e, para complicar ainda mais, está inserido em uma sociedade idealizada, na qual vivemos para ter sucesso, ser feliz e não mostrar fragilidade. Então, o que nos resta é nos adaptarmos a essa ilusão para sobrevivermos e ficarmos contentes por conseguir pagar contas. Vivemos diante de uma ameaça real ou ilusória, como a perda do emprego ou do status, o tempo todo. Pense quantos “sapos” são engolidos para a tal sobrevivência.

Nos estudos da Experiência Somática, concluímos que se passarmos por tudo isso e descarregamos essa carga estressante não ficamos traumatizados. Mas, se essa carga fica presa no nosso sistema nervoso aí está o trauma.

Será que não estamos traumatizados?

A boa notícia é que a cura para o trauma não está no fato em si, mas em nós mesmos, está no nosso corpo. Ele é autorregulador e é capaz de liberar “energias traumatizadas” que estão presas no sistema nervoso. Espero poder compartilhar e auxiliar cada um de vocês para uma jornada mais consciente e menos traumática.

Quer saber mais, entre em contato comigo e ficarei feliz em poder ajudá-lo.

Comentários

comentários