A felicidade depende do meu corpo?

Hoje, não estamos aqui para tratar de forma física, este texto é sobre os diferentes tipos de felicidade, quais são mais valorizados e a relação deles com nosso corpo. A inspiração veio de um artigo da Harvard Business Review que discorre sobre o ganhador do Prêmio Nobel Daniel Kahneman e a distinção entre “ser feliz em sua vida” e “ser feliz sobre sua vida”. E tudo isso tem relação direta com nosso debate sobre o corpo. Vamos lá?!

 

A tal felicidade

Ganhador do Prêmio Nobel de Economia de 2002 e autor do best seller Rápido Devagar, Daniel Kahneman é especialista em economia comportamental. Ele certamente ficou muito feliz ao ser condecorado com uma premiação tão importante, uma felicidade que será lembrada para sempre! Mas será que Kahneman não vivenciou um momento de igual felicidade em um jantar em família durante uma semana comum?! Um momento perfeito, mas que será esquecido em pouco tempo pela banalidade dele?!

 

Vamos um pouco além. Será que a felicidade imensa de ser premiado com um Nobel não foi resultado de momentos estressantes e algumas noites acordado? Chega de situações hipotéticas, vamos aos fatos! Um estudo da Universidade da Califórnia (UCLA) em Los Angeles, questionou seus entrevistados sobre a escolha entre felicidade vivida, ou “o momento em que você sente a felicidade” e a felicidade armazenada, ou “quando você se lembra do momento e fica feliz”. A experiência momentânea de ser feliz foi campeã! Isso quer dizer que o jantar em família de Kahneman é tão importante quanto receber o Nobel? Segundo essa pesquisa sim!

 

Se você quer saber mais sobre esse interessante estudo, leia a matéria completa que Cassie Mogilner Holmes, Professora Assistente do curso de Marketing e Tomada de Decisão Comportamental da UCLA, publicou na Harvard Business Review.

 

Felicidade é corporal

Levando a discussão da felicidade vivida e a lembrada para o cotidiano corporativo, mais do que se questionar sobre qual você prefere, vamos tratar de como chegar a ela. A felicidade para você é sair todos os dias com o céu ainda claro para desfrutar com seus filhos, ou sair tarde da noite, mas com resultados surpreendentes? A resposta é muito pessoal e pode inclusive variar de tempos em tempos. Ter consciência dessa resposta é o mais importante.

 

Tomar essa consciência é saber que emoções e sentimentos são corporais, mas compostos de instâncias distintas. Eu trato sobre este tema com maior profundidade no segundo capítulo do meu livro “O corpo como posicionamento da marca na comunicação empresarial”, caso queira saber mais.

 

Mas, resumidamente: é importante entender o corpo é fundamental e torna todo esse processo mais fácil, seja para um momento único ou para doses diárias de alegria. Assim, a felicidade se torna mais transparente e alcançável. Você prefere lembrar por muito tempo da apresentação de um projeto incrível ou viver diariamente momentos de extrema felicidade que em poucas horas serão esquecidos? A escolha é sua e esta resposta é dada de acordo com seu corpo. Vale reforçar que não existe resposta certa ou errada, afinal cada corpo único.

 

Tenha consciência do que é importante para você, suas prioridades e seus desejos. E o mais importante: aproveite os momentos de felicidade, sejam eles grandiosos ou banais!

 

Comentários

comentários